sexta-feira, 28 de setembro de 2012

QUANTO TEMPO O TEMPO TEM?



Quarta-feira, às 05h15min a.m., o despertador toca. Levanta-se, ou tenta. Cinco minutos, dez, nem que seja um. Qualquer coisa é melhor que nada. Depois de uma terrível batalha. Banheiro. Esvazia-se o joelho. Cata-se, cata e cata, acha a toalha, abre o chuveiro e uma leve despertada chega. Relaxa-se na água bem quentinha. Esquece-se do tempo, perde-se a hora. Corre para que as roupas coloquem você numa maquinal maestria... Executa quatro, cinco procedimentos de uma só vez, café, desodorante, cabelo e sai em disparada. Merda! Volta. As chaves... Celular... Precipita-se à rua. Ônibus, metrô, van, o transito é horrível. Atrasa tudo. Putz! Atrasado de novo. Se tivesse acordado mais cedo, se a refeição matinal fosse mais rápida, se o banho não fosse tão relaxante, se...

Depois do horário mais uma vez, mais um dia de trabalho. Clientes, colegas de trabalho, supervisores, chefes. Ah! Seis horas da tarde!!! Que delícia! Ônibus, metrô, van, o transito é horrível, precipita-se à rua, não esquecendo nada, sem nenhum por menor, chacoalha-se, até em casa. Se trabalhasse mais perto, se estudasse um pouco mais, se o transito não fosse ruim, se...

O tempo. O tempo é um tesouro que lhe é retirado dia após dia, horas, minutos e segundos. E não serão pertencentes a você, pois só os tem se estiver padronizado, se for fazer tudo que lhe é imposto pela limitada permissão que lhe é concedida pela falsa autonomia.

E assim vai. Todo dia negado ao acesso a informação da vontade própria. Você não pode fazer aquilo que você quer, permitamos que pensem assim para que ele possa ser senhor dos seus passos controlados por outrem, que assim seja como sempre foi.

E quem esteve a frente de seu tempo sem sofrer? Quem prolongou seu nome na história sem um altíssimo preço a pagar? Qual foi o maluco? Qual é? A preciosidade do tempo. Sua importância é mascarada com as necessidades. Sem tempo para o filho, pois tem trabalho, sem tempo para o trabalho, pois precisa estudar, sem tempo para os estudos, pois precisa dormir, sem tempo para vida, pois precisa sobreviver. Os povos mais antigos da humanidade estão no controle das finanças do mundo, pois a eles foi permitido o tempo, com ele o saber, para continuar no controle é de grande sapiência, que não deem essa arma, a arma chamada tempo. Tempo é sabedoria, tempo é a arte da vida que não sobrevive e sim se vive. O tempo não está para todos, e sim para quem consegue burlar as leis impostas ao acesso a ele, sendo assim, tendo um altíssimo sofrer a pagar. Sem o tempo vagamos mais que aqueles que detêm o tempo também vago, a inversão é tão bem feita, é tudo belamente planejado, que hoje o seu tempo é sempre repartido. Específico. Com épocas e horários. Pré-determinados, é por ai que você deve vagar. Outros fazem do seu tempo mares, onde exploram e aprendem inúmeros caminhos, vários lugares, em todos eles, apreende-se que nele o ser humano pode ser imutável. Tornando mais fácil a manobra das massas, ficando mais simples, assim o controle e deixando melhor e mais aprazível o caminho, para continuar ainda sendo o senhor do seu tempo e deixando que pensem senhores de si. Nada mais...

Escrito por:
JÚNIOR LUIZ

Crédito das imagens:
SONHOS E SONS e O BLOG DA REH

terça-feira, 25 de setembro de 2012

POR QUE É IMPOSSÍVEL EXPLICAR DEUS?



Por que é impossível explicar Deus? Você já pensou nisto? Criam lendas, histórias, contos, religiões, crenças, teorias, dogmas, doutrinas... E continuamos no mesmo lugar. Com as mesmas perguntas. O que é Deus? Onde está Deus? Quem é Deus? Mas hoje acabei vivendo uma situação interessante que contarei pra vocês nas linhas que se seguem.

Pois bem... Hoje eu tive a felicidade de viver o penúltimo dia na pior empresa que já trabalhei na vida, a Telemont Engenharia em Telecomunicações. E neste dia, tive a oportunidade de conhecer novos amigos, que também se despediam felizes da empresa, e conversar sobre alguns assuntos interessantes. Um deles: A crença em deuses.

Percebi que as pessoas não se interessam em pesquisar nada. Não se interessam em ler nada sobre o que creem. Tem cristão que nunca leu a Bíblia e discute comigo que já li várias vezes. Não têm ideia do que é Concílio de Niceia. Não sabem nada sobre o Santo Graal e outros assuntos controversos da história cristã. Acreditam que são tudo contos de fadas. E de maneira nenhuma admitem que a história de Cristo também pode ter sido um conto de fadas. Duvido que um evangélico aceitaria ler O Livro dos Espíritos! Duvido que um católico aceitaria ler Anjos e Demônios! Têm medo! Não querem colocar sua fé a prova. Mas acreditam em contos inimagináveis que alguém, que nem sabem quem, contou pra eles. E creem nisto como a mais cristalina verdade livre de qualquer questionamento. Senão estariam duvidando do poder de Deus. Assim quando alguém questiona algum assunto bíblico: BLASFÊMIA! Gritam. “Você vai para o inferno!” Sem nem saber se inferno existe. Se eles conhecessem a Teoria do Inferno!

Mas neste interim não posso deixar de contar uma lenda, que segundo meus amigos da Telemont é a mais pura verdade, que foi me contada hoje:

“Josué, filho de pais evangélicos, realizava o sonho de servir o Exército Brasileiro. Se apresentou sempre disposto e vibrante para desempenhar sua missão de servir a pátria. Mas assim como ele era entusiasmado com o serviço à pátria, também era para servir o Senhor Jesus. Então, tudo o que fazia no aquartelamento, agradecia a Deus. “Obrigado Senhor!” Mas o seu comportamento não agradava muito a tropa. Que achava que a vibração característica da vida militar deveria limitar-se apenas a cultura machista: divisas em forma de falo para mostrar poder, quanto mais divisas, mais poder. O macho é sempre o mais forte, sempre o mais potente! Então um dia a tropa formada resolveu desafiar o pobre Josué e colocar sua fé à prova. O sargento neste dia dera uma missão impossível pra Josué: dirigir um carro. “Josué, se o teu Deus realmente tem poder, pegue aquele Jipe e estacione-o naquela garagem ali!” O sargento ordenou.  “Sim Senhor!” Respondeu convicto Josué. A tropa murmurava risos, pois Josué nunca havia dirigido um veículo na vida. Era jovem demais. Mas quando Josué adentrou-se ao veículo e ligou o mesmo a tropa toda mudou de semblante. Todos arregalaram os olhos quando Josué deu partida no veículo e estacionou extraordinariamente bem no local solicitado. Ao descer vibrante do Jeep, a tropa toda chorava. Josué bem eufórico disse-lhes: “Aqui está o poder do meu Deus!” Nisto o sargento, também em lágrimas, chamou Josué de volta ao veículo. “Josué, o fato de você conseguir dirigir mesmo sem nunca ter dirigido antes é realmente um milagre. Mas o milagre maior acredito que nem você vai acreditar.” Nisto o sargento abriu o caput do Jeep e mostrou pra Josué. “O carro que você dirigiu estava sem motor Josué.” Disse o sargento. Nisto a tropa toda chorando e emocionada se prostrou de joelhos e o sargento solicitou ao humilde Josué que fizesse uma oração. Pois todos tinham naquele momento entendido verdadeiro sentido da fé e compreendido o poder de Deus. Toda tropa se converteu naquele dia e passaram a adorar a Deus com muito fervor. Bem maior que até então serviam a pátria.”

Depois de meu amigo contar-me a história, todos no carro estavam arrepiados e com lágrimas nos olhos. “Olha como é o poder de Deus!” Um deles bravejou. Quando eu fiz um comentário bem cético: “Este é o poder da fé!” “Isto mesmo! Deus é poderoso!” Responderam-me. Mas quando eu expliquei que a fé que eu me referia era o fato deles acreditarem numa história absurda desta, o clima se enfezou.

Então pensem comigo: Como pode alguém acreditar nisto e não acreditar em fatos comprovados historicamente? Como não acreditar em estudos e pesquisas científicas? Comprovados em laboratório! Pra quem quiser! Será que um deles conhece a origem do atual cristianismo? Será que conhecem o Concílio de Niceia? Será que sabem quem foi Constantino? Será que sabem realmente quem foi Jesus? Mas sei que não querem saber disto. A história em si não interessa. Interessa apenas a fé. Fé cega!

Com isto cheguei a conclusão que é impossível explicar Deus. Eu não quero explicar nada sobre Deus. Não quero encontrar nada que prove se ele existe ou não. Dizem que todos que tentaram explicar Deus morreram à la Nabucodonossor. Louco! Mas o que vemos na verdade são loucos fanáticos circulando por aí. Até alguns mais loucos ainda que criam seitas suicidas e outras atrocidades mais. Quem estuda a ciência continua com seus estudos. Descobrindo melhorias para os mesmos céticos na ciência. Que na hora de usufruir das tecnologias oriundas destes estudos científicos esquecem até de Deus.

Mas vou parar por aqui. Pois o tema gera rixas entre crentes e ateus. Todos perdem a paciência e querem ser donos da verdade absoluta. Ninguém é dono da verdade. Todos nós estamos aprendendo. Todos nós temos o direito de ser ateu ou de ter fé. O que deve prevalecer é o respeito e o amor ao próximo. Não interessa o que você acredita. O importante é vivermos bem. Cada um na sua respeitando a opinião do semelhante.

E é exatamente este o objetivo deste Blog. Difundir ideias com a liberdade de expressão. Por isto te convido: Deixe sua opinião! Tente esclarecer um pouco este assunto tão obscuro para mentes humanas. Por enquanto é só isto. Mas não deixe de se informar sobre o Concílio de Nicéia e sobre o Constantino, o fundador da religião cristã.

Fui! Um abraço!

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

SERIA POSSÍVEL EDUCAR SEM BATER?



A DURA TAREFA DE EDUCAR NOSSOS FILHOS

Estive publicando nos últimos dias uma série de postagens sobre não bater nos filhos. Eu sou contra bater. Mas 99,99% dos pais (e filhos que apanham) são a favor. Inclusive eu não tenho nenhuma mágoa da minha mãe por ter me dado uns tabefes quando criança. E não conheço ninguém que tenha essa mágoa. Mas como tudo tem exceção existe um grupo sim de revoltados com a violência doméstica. Crianças fogem de casa. E eu no meu caso tenho mágoa do meu pai, que baixava o cacete mesmo por qualquer besteira. E mesmo não batendo nos meus filhos, a mãe deles os educa da maneira que ela aprendeu. Castigos físicos sim, mas sem violência excessiva. E até eu já dei uns tabefes no meu filho e publiquei aqui no Blog. E ele sabe que se me desafiar apanha de novo. Então eu sou um hipócrita. Se eu digo que sou contra bater como eu posso admitir bater no próprio filho?

É que na vida a humildade é uma coisa primordial. Sem humildade é impossível evoluir. E pelos comentários recebidos nas postagens que eu divulguei, colhi ideias e opiniões interessantes sobre o tema. Então estou convencido que é muito complicado educar sem bater na cultura que nos foi imposta. Todos batem e a pregação de liberdade acaba dando liberdade demais para as crianças. Elas têm muita informação. E esta lei da palmada vai acabar cerceando o direito dos pais educarem os filhos. Se o governo não dá nem escola como vai ditar algum método de educação? Nos comentários eu sempre relatei que esta lei é inútil. (Lei da Palmada) Mas falei também da importância do tema ser levantado. Somente através desta lei que pais começaram a pensar nos limites do uso da violência na educação dos filhos. Com certeza quem leu a postagem A LEI DA PALMADA (não perca tempo e leia também clicando no link) vai refletir um pouco mais sobre o assunto. Pois é uma postagem um pouco agressiva. Tipo uma imposição de ideias. Fiz de propósito, pois queria justamente isto que aconteceu: comentários contrários com conteúdos relevantes. Não acredito em nenhuma conspiração, mas acredito que com certeza a ideia da lei foi uma imbecilidade. Assim como a lei seca, a lei das sacolas plásticas, a lei da obrigatoriedade da educação integral e outras besteiras que vemos por aí. Mas foi preciso!

Na minha cabeça isto acontece pela maneira como o mundo está estruturado. Como o mundo está corrompido culturalmente. “Se todas as crianças da rua apanham, por que eu não apanho?” Passa pela cabeça da criança. “Se eu fui criado na palmada por que não posso dar umas chineladas de leve no meu filho?” Pensa os pais. Dentro deste contexto o mais importante é a educação. Independente da forma. Como sempre comento aqui, minha opinião não é absoluta, ela pode mudar. Não estou dizendo que mudei de opinião, mas entendi por que as pessoas não aceitam um tipo de educação que pode não dar certo. Sentem medo! Por isto preferem continuar dando umas chineladas nas crianças. E a minha atitude de admitir pro meu filho que não bato nele, mas se ele der mole leva uns tabefes, vem também do meu medo. Mesmo sendo contra eu admito bater. Como falei a cultura sempre foi bater. Assim como ninguém admite a inexistência de deuses. Culturalmente sempre se acreditou em deuses. O mesmo acontece na educação. Está inclusive na bíblia.

Por isto meu amigo, sou a favor de você continuar com o seu método de educação. Mas aconselho você a ler um pouco outras formas de educação. Pois pais perdem o controle e acabam violentando os filhos de forma exagerada por não conhecer métodos alternativos. Não sou especialista no assunto, mas ao menos tenho opinião. E continuo sendo contra bater em crianças! Leia os comentários da postagem A LEI DA PALMADA e entenda um pouco o que estou dizendo.

Fui! Um abraço!

Seria bom ler também:










Crédito da imagem:


segunda-feira, 17 de setembro de 2012

AMOR. UM SENTIMENTO OU UMA CONQUISTA?



 Ah, o amor! Para muitos um estado de espírito, uma sensação, um sentimento. E para outros uma árdua e gratificante conquista. Mas veja bem, do que é feito o amor? Como temos a certeza de estarmos neste estado ou nesta condição?

Será que nascemos com o amor, como uma célula? São muitas perguntas irrespondíveis, mas cada uma com seu entendimento, depende exclusivamente de você (e de mim).

Para o entendimento didático é apenas uma desambiguação, mas para nós humanos (humanos mesmo) é um estado de espírito elevado, sentimento extremo ao ápice, uma condição inenarrável e sublime. Ah, o amor! Para muitos um tormento, tormento esse que se agrava mais e mais com o passar dos tempos, afinal, não se é fácil achar a tão esperada e sonhada “cara metade”. Mas será que por um alto nível de exigência ou um baixo nível de estima? Meus condiscípulos, o amor (Ah, o amor...) é cercado de perguntas, mistérios e muita, mas muita luta. Você sempre tem o desejo de conquistar aquela pessoa amada cercado da certeza de ser a pessoa certa, a pessoa que vai fazer sua vida pairar nas nuvens, mas nem sempre é assim. Existem casos, e hoje mesmo ouvi uns três ou quatro, da famosa “agora minha vida vai mudar”. O amor nos faz acreditar nisso, e mais, nos faz fazer isso, mudar nossa vida por completo numa intensidade imensurável. O amor (Ah, o amor...) tem poderes que até hoje não se equacionou nem se chegou a uma forma padrão de se amar. Largar tudo e seguir uma rotina diferente, mudar de país apenas para estar perto da pessoa amada. Sim, mas e quando não dá certo? Chegamos a um ponto em que todas as perguntas acima são infundadas e infindáveis. E nessa hora você apenas se pergunta: Por quê?

Por isso o amor é inexplicável, ele é capaz de fazê-lo acreditar no inacreditável, capaz de fazer mudanças drásticas e às vezes sem volta, pro bem ou pro mal, não mal no sentido da crueldade, mas a ponto de se desenvolver a depressão, a tristeza a falta de estima.

Pois bem, se amar fosse fácil não existiria casamento, pois aos que acham que o casamento é uma dádiva, se enganam. O casamento é um acordo feito entre duas pessoas como um contrato de prestação de serviço (por favor, não leve ao lado religioso, isso não é uma citação das escrituras). Muitos agora estão se perguntando o porquê disso tudo, mas é isso mesmo! O casamento é a forma mais insegura de se amar, um acordo contratual que a qualquer momento perde seu valor com a separação. Diga-me agora, isso é o AMOR?

O amor não se aumenta ou diminui, apenas existe ou não... Não me venha com choro melas, casar é apenas dar uma visibilidade formal a relação, não que seja o amor, há tempos o casamento era uma encomenda como um ovo de chocolates, as crianças nem nasceram mas já estavam prometidas. Se fosse do contrário o casamento homoafetivo não seria metralhado de preconceito, afinal de contas eles também amam. Mas deixemos essa questão até aqui.

O amor é o que deve ser, um estado de espírito que se aflora a qualquer momento em prol de qualquer pessoa, e muitas das vezes àquela pessoa menos esperada.

Ame, seja amado, viva amando, receba amor, seja o amor. Aliás, o que é o amor?

Escrito por:

Crédito da imagem:

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

ELTON JOHN ALOPRA E TIRA A BERMUDA


Recentemente Elton John alfinetou Madonna chamando a rainha do pop de “stripper” de quinta categoria, só porque a cantora exibiu seu bumbum durante um show. Só que, dias atrás, ele apareceu na mídia na posição em que Napoleão perdeu a guerra.

O site TMZ publicou fotos em que o cantor, de 65 anos, exibe a bunda em um iate no balneário francês de Saint-Tropez. O artista estava em férias, curtindo o litoral, com o marido David Furnish e amigos. Segundo a publicação, Elton John mostrou seu bumbum para pessoas que estavam em outro iate, que pertenceria ao ator Michael Caine. Madonna agora tem um prato cheio para rebater o veneno de Elton John, que é muito amigo de Lady Gaga, rival da rainha do pop.

Na verdade Madonna já rebateu. Em um show da turnê europeia do álbum MDNA Madonna dedicou uma música para Elton John e disse que o perdoava em tom de ironia. Leia a reportagem clicando aqui.

Sendo que pra mim o mais curioso é que o segundo parágrafo da postagem foi repetido várias vezes na web sem nenhum comentário a ser acrescentado. Repetem as mesmas frases sem nada a mais pra dizer. Tipo se fosse um vírus se espalhando. Somente com a intenção de conseguir Ibope com a situação.

Infelizmente na Internet é assim. E se você tentar fazer algo diferente é amplamente criticado e não terá nenhuma audiência. É o que aconteceu comigo tempos atrás. Só por reproduzir notícias veiculadas em outros meios de comunicação colocando minha opinião polêmica, chamaram o Blog de sem conteúdo. Mas eu não ligo, pois acredito que o principal objetivo do Blog está sendo alcançado. Meu público fiel eu tenho certeza que sempre volta pra conferir alguma novidade. Assim como você que está lendo agora esta postagem. Mas parece que saí do foco... Vamos lá.

O único Blog que eu encontrei falando alguma coisa relevante sobre o assunto foi o Vicente de Paula, que infelizmente não foi feliz nos seus comentários. Achei suas palavras preconceituosas. Pra mim não tem nada demais alguém ser gay ou mostrar a bunda por aí. Sobre ser gay eu não tenho uma opinião convincente pra falar, somente que acredito ser genético, mas mostrar a bunda é um ato de rebeldia. Assim como a Madonna e outros artistas famosos já fizeram. Na minha cabeça nada demais. É cada um na sua. Contando que não desrespeite o próximo. É só isto!

Fui! Um abraço!

Seria bom ler também:




Crédito da imagem:

terça-feira, 11 de setembro de 2012

ESTUDO REVELA QUE BATER NOS FILHOS NÃO RESOLVE



É lógico que eu não tenho capacidade pra falar do assunto. Não sou professor, não sou psicólogo, não sou escritor, não sou sociólogo. Mas como a Internet é 2.0, acho me no direito de falar. Bater em filhos não educa! E não sou eu que estou dizendo, é a ciência. Mesmo dizendo algumas besteiras, ela é a base pra tudo o que fazemos. Se não testarmos as coisas que usamos, como saberemos que funcionam? E assim acontece com a educação dos filhos. Temos que usar o método que causa o melhor resultado. E bater não gera resultado algum. Só traumas.

Vou falar aqui de uma pesquisa ampla, divulgada pela Folha de São Paulo, mas antes vou contar minha pesquisa. Eu fui criado na porrada. Apanhava por qualquer coisa. E levava pancada mesmo. Cabeça na parede, cabeça contra cabeça, cintada, varada, paulada, socos e outras coisas mais. Com isto aprendi que bater era educar. Mas quando tive filhos comecei a achar estranho este comportamento. Então comecei a pensar numa forma alternativa de educação. Aí fiz um teste. Parei de bater no meu filho e comecei a impor limites e conversar. Castigo, sem televisão, sem passeio, sem McDonald’s... Percebi que o resultado foi melhor que quando batia. Então conclui: Bater não educa.

Mas na verdade existe um pouco de hipocrisia de minha parte. Pois já bati em meu filho. Inclusive meu filho teve que tomar uma chineladas “corretivas” depois que eu entrei pra campanha do “Não Bata Eduque”. Mas confesso que na situação em que isto ocorreu, eu realmente perdi o controle da situação. Então perdido eu usei uma forma arcaica de educação. Mas prefiro a educação evoluída. Dá muito mais trabalho, mas o resultado é bem melhor. Podem dizer que está dando algum resultado devido eu já ter batido nele. Pois segundo alguns pensam, quanto mais a criança apanha, mais educada ela ficará quando crescer. Deve ter receita. Deve ter um limite de agressões que você nem precisará mais matricular seu filho na escola. Ficará educado apanhando.

Mas métodos alternativos são amplamente combatidos pelas pessoas em geral. Como por exemplo, se o seu filho está vendo televisão, te desobedece e você bate nele, ele volta a ver televisão e esquece que apanhou. Criança tem memória curta. Mas se você o coloca de castigo e o proíbe de ver televisão, ele vai lembrar disto por um bom tempo. Qual é mais lucrativo? Se duvida, faça o teste hoje mesmo com o seu filho. Pegue uma coisa que ele gosta muito e tira dele. Só devolva quando ele se comportar. Duvido que ele não vai te obedecer. Mas só isto não adianta. É preciso conversar e dar exemplos. Mas se você bate em toda a vizinhança, briga no trânsito, tem uma atitude agressiva em tudo, automaticamente o seu filho vai estar ligado a esta violência. Então você vai ser obrigado a bater nele também. O problema vai ser quando você brigar com o Anderson Silva...

Mas também é preciso ler muito sobre o assunto. Ouvir opinião de especialistas. Se você sempre educou o seu filho na pancada e de uma hora pra outra para de bater nele, você vai começar a se perder. Se você ler revistas e livros de como criar os seus filhos felizes, aprenderá várias formas de educar sem bater. Vai aprender a ter o controle da situação. Mas sei que é muito difícil. Temos que analisar o tipo de comportamento da criança. Analisar o meio em que ela vive. Pra então montar uma estrutura satisfatória de educação. Mas vamos a tal pesquisa.

Clique aqui pra ler a reportagem da Folha.

Alguns dados da pesquisa assustam. As crianças que mais apanham são aquelas entre 2 e 5 anos. Acho um absurdo bater numa criança de 2 anos. Mas a maioria concorda que deve bater sim. Tem gente que bate em bebês de menos de 1 ano. E acham normal. Se você analisar o porquê deste dado assustador vai perceber que isto acontece porque elas (crianças de 2 a 5 anos) têm mais dificuldade de entendimento. Conforme vão crescendo, passam a entender melhor as coisas. Na adolescência as crianças apanham menos, pois já tem a cabeça mais evoluída. Mas uma coisa interessante que chama a atenção é que nesta época na vida das crianças é quando elas são mais rebeldes. Xingam os pais. Chegam em casa na hora que quer. Transam com quem quer. Curte seus bailes pelas noites. E arrumam filhos para os pais criarem. E aí, por que os pais não batem nos filhos pra eles não transarem? Há hipocrisia nisto aí.

Pessoas pensam que eu sou a favor desta Lei. Eu sou contra. Na verdade eu sou contra a maioria das Leis. Mas também sou contra bater em crianças. Se todos se respeitassem poderíamos viver num mundo quase anárquico. Mas todos os grupos minoritários querem leis pra si. Mas o curioso é que o grupo que não pode reivindicar nada é justamente o que tem o menor apoio a sua Lei. As crianças. O que mostra que toda lei criada é para beneficiar apenas um pequeno grupo.

Mas na pesquisa sobre a violência infantil no Brasil, o método preferido de castigo físico adotado pelos pais é a chinelada. Menos mal. E os métodos mais agressivos, como paulada, são os menos adotados. A minoria apanha todo dia. Mas quando somamos os percentuais, passam de 200%, o que significa que os pais têm um cardápio variado de agressões.

Outro dado interessante é que 32 países do mundo adotam lei que proíbe agressão contra crianças. E deste total, 21 ficam na Europa, continente de países desenvolvidos. Será que o Brasil regrediu ou evoluiu ao pensar em proteger as crianças?

Dê sua opinião! Fale um pouco sobre a reportagem da Folha. Deixo abaixo alguns links sobre violência infantil.

Fui! Um abraço!

Seria bom ler também:







Crédito da imagem:

terça-feira, 4 de setembro de 2012

UMA MENTE BRILHANTE: A INCRÍVEL HISTÓRIA DE JOHN NASH!



Depois de um tempo sem ouvir falar nele, finalmente nestes últimos dias eu pude ler uma excelente postagem num excelente Blog sobre o grande John Nash. Quem não conhece, trata-se do matemático John Forbes Nash, que conquistou bacharelado e mestrado em matemática aos vinte anos de idade. John Nash começou a sofrer com doença mental após completar trinta anos, quando sua esposa ficou grávida. Aos trinta e um anos foi internado e diagnosticado como esquizofrênico paranoico. Contratou advogados para sair do hospício e só tomava psicotrópicos porque era forçado. Ele começou a perder tudo, até sua esposa Alicia. Mas depois que decidiu se recusar totalmente a tomar drogas, começou a se recuperar. Assim, em 1994 ele ganhou o Prêmio Nobel, e em 2001 ele conseguiu voltar a se casar com sua esposa Alicia. (Fonte PACIENTE PSIQUIÁTRICO).

John Nash teve sua história contada no extraordinário filme Uma Mente Brilhante, que pra quem não viu vale a pena dar uma olhada. No Paciente Psiquiátrico tem dicas de como ver o filme on line. Decidi falar sobre o assunto agora, pois finalmente encontrei comentários condizentes sobre o assunto. Numa entrevista divulgada pelo Blog citado, John Nash fala sobre drogas psiquiátricas. John Nash é um grande exemplo dos males que as drogas psiquiátricas causam nas pessoas. Quem garante que John Nash realmente tinha doença mental? Pode ser que apenas teve uma “recaída” como qualquer um e devido aos seus conhecimentos e inteligência acima da média começou a incomodar outras pessoas. Não sei. Quem sabe? Mas podemos ao menos ter opinião sobre o assunto. E é exatamente isto que estou fazendo. Não perca a oportunidade de fazer o mesmo também.

Abaixo deixo links sobre a matéria original no Paciente Psiquiátrico e uma entrevista do John Nash sobre psicotrópicos, também do Paciente Psiquiátrico.

Fui! Abraços!

Matéria original:

Entrevista original em Inglês:

Crédito da imagem: